Pós-graduada do Sense Samira Silva ganha o 2º lugar no Prêmio de Tese de Mestrado no WVC 2018

Samira Santos da Silva conquistou o 2º lugar na categoria Tese de Mestrado do Concurso de Tese e Dissertação do Workshop de Visão Computacional, WVC 2018. Atualmente professora da Fundação Universitária Itaúna, a graduada do Laboratório Smart Sense apresentou sua pesquisa Agregação de Mínimos Quadrados Parciais Modelos para Identificação de Face em Galeria Aberta, defendida no início deste ano. Em sua 14ª edição, o WVC foi realizado de 12 a 14 de novembro, na Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), em Ilhéus, na Bahia.

A identificação facial é uma tarefa importante na visão computacional e possui uma infinidade de aplicações em vigilância, forense e interação humano-computador. Em sua dissertação de mestrado, Samira tinha como principal objetivo a identificação de faces em galerias abertas, ou seja, determinar se uma determinada imagem facial pertence a um indivíduo previamente registrado na galeria de indivíduos conhecidos ou não, e no primeiro caso, também determinando a identidade desse indivíduo.

“As aplicações desse tipo de método são inúmeras”, diz a pesquisadora. “Um exemplo seria em uma investigação criminal, onde é desejável saber se o rosto de um indivíduo que foi capturado por uma câmera de vigilância está registrado em uma galeria de, por exemplo, criminosos de um banco de dados da polícia. Nesse caso, a identificação do rosto seria realizada somente após a certeza de que o rosto realmente pertence a um indivíduo cadastrado ”, explica.

Em seu trabalho, Silva propõe um novo método que agrega modelos de Partial Least Squares (PLS) usando o protocolo um-para-todos de maneira simples, mas rápida. As saídas do modelo são combinadas em um histograma de resposta, que é balanceado se a face de teste pertencer a um indivíduo da galeria e tiver uma barra acentuado de outra forma. Sobre as contribuições de seu trabalho para o campo, comenta que: “além da forma como os modelos foram treinados, a combinação das respostas obtidas também foi uma contribuição do trabalho que resultou em um método eficaz para a solução desse tipo de problema, superando os métodos de ponta da literatura”.

Membro Sense de 2015 a 2018, Samira afirmou que trabalhar no laboratório foi uma oportunidade para crescer profissionalmente e academicamente. “O grupo tem uma cultura de colaboração muito forte que incentiva seus membros a produzir obras da mais alta qualidade. É claro, meu prêmio também é um mérito do grupo como um todo ”, apontou a pesquisadora.

A pesquisadora

Samira Silva é formada em Ciência da Computação pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), período no qual frequentou também a Universidade do Porto, em Portugal. Ela defendeu no início deste ano sua dissertação de mestrado em Ciência da Computação pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Trabalhou também no Departamento de Computação e Sistemas de Informação (DECSI) da UFOP de 2016 a 2018 como professora e na autoria de cursos a distância. Atualmente, ela leciona na Fundação da Universidade Itauna.

A pesquisa

O professor William Robson Schwartz, coordenador do Smart Sense Laboratory, orientou a pesquisa de Samira. Ela também teve contribuições de Filipe de Oliveira Costa, da Gerência de Processamento de Imagem e Fala do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD), seu co-orientador.

Workshop de Visão Computacional

Em sua 14ª edição, o WVC reúne pesquisadores, estudantes de graduação e pós-graduação que atuam em visão computacional. O evento foi organizado pelo Programa de Pós-Graduação em Modelagem Computacional em Ciência e Tecnologia (PPGMC) e pelo Grupo de Imagem e Ação (IMA) da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC) e pelo Instituto CEPEDI.

Siga as atualizações do Laboratório Smart Sense através do nosso Facebook e Twitter.